Você sabe como funciona o controle de estabilidade?

Através de vários sensores ligados nas rodas, na direção e no eixo longitudinal, o módulo do controle de estabilidade (ESP) identifica que o carro está se movimentando num sentido diferente ao pretendido pelo condutor.

Então, com as 25 leituras por segundo, o controle de estabilidade compara a direção do volante com o trajeto que o carro assumiu, como, por exemplo, derrapando ou perdendo a direção da dianteira.

E, numa fração de segundo, o módulo faz com que aconteça um alívio na tração do motor e o ABS também entra em cena, aplicando o freio na roda mais indicada, para que o carro retome a trajetória.

ABS (Anti Brake System) é um sistema de frenagem, que evita que a roda bloqueie quando o pedal de freio é pisado com força, evitando que uma derrapagem, deixe o automóvel sem controle.

Além disso, quando comparamos aos modelos equipados com sistema de frenagem convencional, o ABS diminui o espaço de parada total.

Apesar do controle de estabilidade e ABS possuírem módulos diferentes, ambos se utilizam de itens em comum.

Tais como os sensores das rodas e o corpo de solenoides, que direcionam a pressão do óleo de freio para a roda indicada pelo sistema.

O legal é que algumas montadoras, testam o controle de estabilidade dos seus veículos sobre o gelo.

No gelo, o atrito entre pneus e a superfície ficam mais fáceis de alcançar as condições de saídas laterais, em relação a posição do volante.

Controle de estabilidade obrigatório

Parece brincadeira mas já ouvi algumas pessoas dizerem: não preciso de controle de estabilidade.

Devo dizer que essas pessoas estão equivocadas.

Pois, a menos que você tenha conhecimento de um piloto, para conseguir corrigir a trajetória do carro, sem o controle de estabilidade em caso de emergência, possuir o sistema é fundamental para uma direção segura.

Lamentavelmente, apenas os modelos mais luxuosos são equipados com esse sistema no Brasil.

Alguns fabricantes saíram na frente, e já oferecem o equipamento em modelos menos luxuosos, com a Ford, por exemplo.

Aos poucos, isso vem mudando, é o caso do Ka que conta com esse equipamento, porém, disponível como equipamento de série a partir da versão intermediária.

A exigência começará a partir do no ano de 2020 e valerá em primeiro lugar, para os carros homologados a partir da data de validade da resolução do Contran.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *